Publicado em 01/12/2013 02:00  -  Atualizado em 01/12/2013 02:00

Produzindo cerveja no quintal de casa

Carla Guedes

Bebidas artesanais estão se popularizando na região
Diversificação está entre as vantagens citadas pelos produtores

Douglas Armelin, 30 anos, e Rodrigo Boschini, 36, trocaram a mesa do bar por um canto na garagem, onde produzem a própria cerveja. Uma vez por semana, a dupla e mais três ou quatro amigos se envolvem com caldeirões, malte e lúpulo para fabricar 50 litros da bebida.

A produção, que começou há 3 anos, sem muita pretensão, hoje se especializou, e a cerveja, feita na casa de Armelin, em Marialva, ganhou rótulo e nome: Road Mine (tradução para o inglês o nome da estrada onde fica o centro de fabricação).

Da minicentral cervejeira saem 11 estilos, desde o menos ao mais alcoólico, com maior ou menor amargor, e as doces, com jabuticaba, maracujá e chocolate, que ocupam o primeiro lugar na preferência feminina. Enquanto as marcas populares, feitas em larga escala, têm teor alcoólico de 4,5% a 5%, o grupo já fabricou cerveja com até 8,5% de graduação.

Botar a mão na massa para fazer a própria cerveja não chega a ser complicado. O problema, como em qualquer outra receita - e para quem não é íntimo do fogão - é acertar o ponto. "No começo, joguei três receitas fora", diz Armelin. "Qualquer bobeira, a chance de contaminação é grande, a cerveja estraga e vira vinagre." Com R$ 500, qualquer um já consegue produzir as primeiras garrafas.
Negócio

Enquanto a turma de Armelin produz para consumo próprio, três sócios decidiram fazer do hobby um negócio e abriram uma microcervejaria em Maringá, há 5 meses. Na Cervejaria Araucária são produzidos dois estilos, "pale ale" e "porter", mas para o primeiro trimestre do ano que vem serão lançados outros dois. "São misturas de sabores e aromas diferentes, que conferem um produto totalmente diferente do que as pessoas conhecem como cerveja", define o engenheiro químico Rodrigo Frigo, 29, um dos sócios.

É esta a grande sacada das cervejas artesanais: ter 100% de malte na composição, zero grama de milho e arroz, que são matérias-primas baratas, e a chance de fazer a própria bebida em casa ou em uma pequena fábrica. Um dos entraves é a burocracia para vender a produção. Por enquanto, a cerveja Araucária é oferecida em degustações, mas a intenção é vender em casas especializadas a partir do ano que vem. "A gente está desde julho adequando os processos produtivos para ter as licenças da Vigilância Sanitária e do Ministério da Agricultura, mas é bem burocrático", conta Frigo. "Os impostos são altos e incidem em 40% do faturamento bruto; é tudo muito caro", acrescenta Armelin. De 800 garrafas envazadas por mês, o trio quer chegar a 2 mil até março de 2014.

Mais barato
Produzir a bebida em casa é mais barato do que pagar para tomar uma no bar. Na fabricação artesanal, a garrafa custa de R$ 3 a R$ 4, mas em mercados e comércios especializados, cada uma custa a partir de R$ 8. Antes de abrir a fábrica, Frigo produzia a bebida em casa. "Eu comecei a fazer porque era uma forma mais barata de conseguir cerveja especial. Fazia para consumo e para oferecer aos amigos, e sempre teve boa aceitação."

A abertura da microcervejaria maringaense veio em uma época de alta do mercado cervejeiro. Hoje, são aproximadamente 200 delas em atividade, segundo estimativa da Associação Brasileira de Bebidas. Até mesmo em países com alto consumo de vinho, como Itália e França, as coisas estão mudando. Os jovens italianos estão consumindo mais cerveja artesanal do que vinho, indica um levantamento da revista Newsweek. E Marialva (região metropolitana de Maringá) sediaria ontem um encontro de cervejeiros.

Autossuficientes
A internet é o campo de pesquisa do cervejeiro. São apostilas e vídeos gratuitos, contando os segredos de uma boa receita. Armelin e Boschini não frequentaram cursos e aprenderam o que sabem em apostilas e com amigos. Os dois elegeram a Imperial Ipa como o melhor estilo de cerveja. "Ela é forte, alcoólica, tem aroma de laranja e limão e é bem amarga", descreve Boschini. Se na Imperial o índice de amargor varia de 90 a 120 IBU (International Biterness Unit, escala usada para mundialmente para esta referência), em uma pilsen comum não passa de 20.

O grupo de Marialva praticamente abandonou as cervejas industriais, aquelas mais vistas na mesa de um bar. "É bem difícil a gente comprar cerveja no bar. Eu digo que somos autossuficientes", ri Boschini.

Na casa de Armelin, o estoque de Road Mine é grande. São quatro geladeiras e um maturador (uma espécie de barril de plástico) para 200 litros. Tem muita cerveja nessas geladeiras? "Graças a Deus".


NA ESTRADA DA MINA. O grupo de amigos apresenta a Road Mine; geladeiras com estoque garantido para consumo. - FOTO: JOAO CLAUDIO FRAGOSO

OS ESTILOS DE CERVEJA

ALE - ALTA FERMENTAÇÃO

American Pale Ale
Cerveja clara, do amarelo dourado ao cobre, e ácida. Desenvolvida nos Estados Unidos na década de 80. Acompanha bem pizza, hambúrguer, sushi e salada.

American Strong Ale
Abrange grande quantidade de cervejas que têm volume alcoólico superior a 7% e de origem norte-americana. Sabor forte e alto teor de álcool.

Brown Ale
Estilo comuns em produções caseiras. Na receita estão incluídos caramelo e chocolate, que equilibram o sabor final amargo. Acompanha bem sobremesas, carnes e queijos.

Imperial/Double IPA
Maior quantidade de malte, é amarga e de alto teor alcoólico. Estilo adicionado recentemente à lista de cervejas.

LAGER - BAIXA FERMENTAÇÃO

American Macro Lager
Leve, clara, gaseificada e aguada. Não muito amarga, baixo a médio teor alcoólico. Tem milho e arroz na composição e é produzida em grande escala.

Bohemian Pilsner
Amarela, límpida, amarga e com aroma e sabor frutado ou floral. Refrescante, tem volume de álcool de 4,5% a 5,5%. Um dos estilos mais consumidos do mundo.

Premium Lager
Cor dourada ou acobreada, teor de álcool entre 4,5% e 5,5%, pouco gás. É típica de pequenas indústrias e de bares que produzem a própria bebida.

Pale Lager - O estilo de cerveja mais popular e consumido no mundo. Cor amarela clara e transparente, alto teor de gás e volume de álcool de 4% a 6%. Não tem sabor muito intenso.

Fonte: www.cervejasdomundo.com

maringá | londrina | fotos | videos | agenda
odiario.com